Número de Visitas

Seguidores

Olá amigos!

Acreditamos que há uma outra história da humanidade a ser contada. A maioria dos posts baseiam-se nos estudos dos meus autores preferidos.

Cito alguns: Zacharia Sitchin, J. J. Benitez, Robert Bauval, Graham Hancock, Erich Von Daniken, entre outros.

Com o desaparecimento da biblioteca de Alexandria uma grande parte da nossa história foi perdida, mas com a descoberta da biblioteca do rei assírio Assurbanipal, parte dela foi recuperada para nos trazer um pouco mais de luz sobre a historia da humanidade. Mais info aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Biblioteca_de_Ninive

Wanderley Xavier

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Reintrodução ao Passado - PARTE 1 (Do livro Aliens ou Anjos?)


“Interroga as gerações passadas e considera a experiência dos antepassados.”   Livro de Jó 8:8;

Que os crentes de todas as religiões nos perdoem a nossa interpretação dos seus textos, nunca pretendemos chocar quem quer que seja; aliás, nós não interpretamos, apenas retraduzimos com os sentidos diferentes contidos nas palavras originais, sentidos que não foram utilizados até agora, a não ser por alguns poucos que conhecemos. 

Mas seria preciso um exército de beneditinos  que trabalhassem depressa, para reler tudo o que a humanidade publicou desde que descobriu a escrita (ou o desenho simbólico), anotar, traduzir, classificar cronologicamente todas as informações que os homens quiseram fixar e transmitir sobre o que eles obser­varam no céu do seu planeta. Encontrar-se-ão, portanto neste capí­tulo. 

Relatos muito sucintos, apontando uma data, um lugar e alguns textos condensados; encontrar-se-ão também excertos de livros cujos autores fizeram certas descobertas com competência. Citamos como exemplo o intrigante caso do Himalaia, o teto do mundo, onde teriam pousado as primeiras naves cósmicas. 

Aos leitores interessados pelo período pré-histórico recomendamos vivamente a leitura do notável artigo de síntese de Aimé Michel, “Paleolithic UFO-Shapes”, vindo a lume em Flying Saucer Review, Nov/Dez. 1969, voI. 15, pp. 3 a 11 (profusamente ilustrado), fundado principalmente na obra do Prof. André Leroi-Gourhan, Préhistoire de  L'art occidental, Paris, Lucien Mazenod, 1965. 

Naves espaciais no Himalaia é o título do primeiro capítulo de um artigo, escrito por Viatcheslav Zaitsev para a revista soviética Nauka i Religiia (Ciência e Religião), artigo republicado em francês pelo informativo mensal Spoutnik n° 1, Junho de 1967, pp. 106 a 123. Comecemos pela apresentação do autor. 

Viatcheslav Zaitsev é licenciado em Filosofia, especialista em literatura iugoslava; exercia as funções de primeiro-assistente de investigação no Instituto de Literatura da Academia de Ciências da antiga União Soviética. Ao ler os relatórios dos trabalhos de Alexandre Tsiolkowski e Nicolas Rinine, concebeu a idéia de que o nosso pla­neta se encontra desde tempos imemoriais, num circuito de con­tatos intergalácticos. Durante trinta anos reuniu documentos que apoiam a sua teoria. Em 1959 publicou duas obras: “Reminiscências Cósmicas nas Inscrições de Monumentos Antigos” e “A Evolução do Universo e a Razão”.

Onde admite a hipótese segundo a qual a Terra teria sido visitada várias vezes por representantes de diferentes civilizações. Cita nomeadamente, no seu artigo a revista alemã Das vegetarische Universum”, que em 1965 publicou uma informação a propósito da descoberta de um arqueólogo chinês. E diz o seguinte:
   
Na fronteira da China com o Tibete, encontra-se uma região mon­tanhosa rica em cavernas chamada Baian-Kara-Ula. Lá faz já um quarto de século que os arqueólogos vêm descobrindo nesta região estranhos discos de pedra cobertos de sinais incompreensíveis, desenhos e hieróglifos. Lá muitos milênios, com o auxílio de instrumentos de trabalho desconhecidos, os habitantes das cavernas conseguiram talhar a rocha para fazerem estes discos, de que se descobriram até hoje 716 exemplares. Todos estes discos, à maneira dos discos fonográficos, apresentam um orifício central donde parte um duplo sulco em forma de espiral que vai acabar na borda exterior. É claro que não se trata de um registro sonoro, mas de uma forma de escrita, a mais estranha que alguma vez se descobriu na China ou mesmo no mundo inteiro.

A solução do mistério revelou-se a tal ponto assombrosa que a Academia da Pré-História de Pequim começou por recusar ao seu autor, o Prof. Tsum-Um-Nui, a autorização para fazer uma comunicação escrita sobre os resultados. Quando, finalmente, esta autorização lhe foi concedida, o arqueólogo chinês, de colabo­ração com quatro colegas, publicou os seus trabalhos sob o título “Inscrições Espiralóides” narrando a chegada de naves espaciais que, segundo o texto gravado nos .discos, teria tido lugar há doze mil anos. Viatcheslav Zaitsev reforça:
 
“As cavernas de alta montanha de Baian-Kara-Ula vivem as tribos Dropa  e Ram. Os membros destas tribos são de estatura muito pequena e franzinos de corpo. A sua altura é de cerca de um metro e trinta. Até ao presente, os sábios não conseguiram ligá-los a nenhum grupo étnico pre­ciso. As informações respeitantes a estas tribos são, aliás, muito escassas. Depois de terem decifrado as inscrições gravadas nos discos, Tsum­-Um-Nui e os seus colegas descobriram no texto alusões às tribos Dropa e Ram: homens, mulheres e crianças se esconderam nas suas cavernas, mas por fim compreenderam os sinais e viram que daquela vez os Dropa tinham vindo com intenções pacíficas. Não se encontram de fato, outras inscrições da tribo dos Ram nas quais se exprima o pesar pela perda das naves aéreas pertencentes à sua própria tribo, perda que sobreveio em consequência de uma pane q eu os obrigou aterrissarem em montanhas inacessíveis, pesar também por não terem conseguido construir novas naves. A fim de obter informações complementares sobre os discos, fez-se uma recolha de pequenos fragmentos, que foram enviados á investigadores em Moscou para análise. Esta permitiu fazer uma descoberta espantosa. Os discos continham uma proporção muito considerável de cobalto e de outro metal. Outras experiências puseram em evidência um ritmo de vibração como se os discos tivessem sido carregados ou tivessem feito outrora parte de um circuito eléctrico”. Continua...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe!

Prova que os EUA desenvolvem veículos voadores (tipo OVNIS)

Imagens Secretas de OVNIS da NASA

Vídeo incrível da NASA captura o que parece ser uma gigantesca nave alienígena.

Twitter