Número de Visitas

Seguidores

Olá amigos!

Acreditamos que há uma outra história da humanidade a ser contada. A maioria dos posts baseiam-se nos estudos dos meus autores preferidos.

Cito alguns: Zacharia Sitchin, J. J. Benitez, Robert Bauval, Graham Hancock, Erich Von Daniken, entre outros.

Com o desaparecimento da biblioteca de Alexandria uma grande parte da nossa história foi perdida, mas com a descoberta da biblioteca do rei assírio Assurbanipal, parte dela foi recuperada para nos trazer um pouco mais de luz sobre a historia da humanidade. Mais info aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Biblioteca_de_Ninive

Wanderley Xavier

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

ROBÔ COM CÉREBRO DE RATO

Um robô que funciona com um verdadeiro cérebro vivo composto por neurônios de rato, capaz de "aprender" comportamentos, tal como evitar uma parede, foi criado na Universidade de Reading (Grã-Bretanha) por um grupo de pesquisadores.

O cérebro biológico do robô, batizado Gordon, foi gerado a partir de neurônios extraídos de um rato. Os tecidos foram postos numa solução, separados e depois colocados em uma espécie de leito com sessenta eletrodos.




"Em 24 horas, as conexões se reforçaram, formando uma rede como num cérebro normal", explicou à AFP o responsável da equipe multidisciplinar, Kevin Warwick. "Em uma semana ocorreram impulsos elétricos espontâneos e o que parecia ser uma atividade de cérebro comum", acrescentou. "Utilizamos esta reação para vincular o cérebro ao robô com os eletrodos. Agora o cérebro controla o robô e ele aprende por repetição", acrescentou o cientista.

Segundo um pesquisador, para que aprenda alguns comandos, eles vão aumentar a voltagem sobre diferentes eletrodos utilizando produtos químicos para favorecer ou reduzir as transmissões entre neurônios. "Se o robô está num lugar e queremos que vá para a direita, podemos enviar um estímulo elétrico para dar-lhe ordem", indicou.
Ao estudar o que acontece com os neurônios e como eles interagem com a máquina, os responsáveis pelo projeto esperam entender o processo de registro da memória pelo cérebro humano.

As cerca de 300 mil células nervosas que formam o cérebro do robô foram retiradas do cérebro de um feto de rato e tratadas para que as conexões entre os neurônios individuais fossem dissolvidas.

Os neurônios - mantidos separadamente do resto do robô, em um ambiente que permita que sobrevivam - foram distribuídos sobre uma superfície à qual foram conectados 60 eletrodos que recebem e enviam sinais elétricos às células. Estes sinais são usados para definir os movimentos do robô.

Cada vez que ele se aproxima de um objeto, um sistema de navegação no autômato capta essa informação e ela é transmitida para as células. As células então reagem, direcionando as rodas do robô para a esquerda e a direita de maneira a evitar que a máquina bata nos objetos.

"Queremos compreender como se arquivam as lembranças no cérebro biológico, em relação a um cérebro de computador", advertiu, calculando que existem entre 50.000 e 100.000 neurônios em atividades no cérebro de Gordon. Os ratos possuem no máximo um milhão de neurônios, os homens, 100 bilhões. "Como no caso do ser humano, se o cérebro de Gordon não for estimulado com frequência, se atrofia. Pelo contrário, com estímulos, as conexões se reforçam e ele fica mais esperto", comentou Kevin Warwick.

Aprendizado

Depois de aprender a controlar os movimentos do robô e desviar de obstáculos, o próximo passo para o "cérebro" da máquina será aprender a reconhecer o ambiente ao redor. Em uma segunda etapa das pesquisas, os cientistas pretendem simular danos à memória do robô para recriar a perda gradual de faculdades mentais em males como os de Alzheimer e Parkinson.

"Uma das questões fundamentais que os neurocientistas enfrentam hoje é como relacionar a atividade de neurônios individuais a comportamentos complexos que percebemos em organismos ou animais", disse o neurocientista Ben Whalley, da Universidade de Reading.

"Esse projeto nos dá uma oportunidade única e muito útil de observar algo que pode nos dar reações completas, mas ainda permanece intimamente ligado à atividade de neurônios individuais."

O trabalho da equipe de Reading segue a trilha de outros semelhantes. Em 2003, o Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos, desenvolveu o que chamou de "hybriots" - ou robôs híbridos - utilizando máquinas e tecidos neurais.

Em um trabalho anterior, cientistas do Centro Médico da Northwestern University, também nos Estados Unidos, conectaram um robô com rodas a uma lampréia, para explorar formas de controle de próteses.

http://www.reading.ac.uk/about/newsandevents/releases/PR16530.asp

domingo, 4 de outubro de 2009

Será que Usamos Somente 10% do Nosso Cérebro?

Não existe nenhuma evidência científica que sugira que usamos somente 10% do nosso cérebro.

Em outras palavras, a afirmação: "Usamos apenas 10% do nosso cérebro" é falsa, um mito. Nós usamos todo o nosso cérebro.


Onde o mito dos 10% começou?

A afirmação sobre os 10% pode ter começado como uma interpretação errada de uma afirmação feita por Albert Einstein, ou ainda uma má interpretação do trabalho realizado por Pierre Flourens no sec. XIX. Pode ter sido que William James, que escreveu em 1908 "nós estamos nos utilizando apenas de uma pequena parte dos nossos recursos mentais e físicos". Talvez seja ainda o trabalho de Karl Lashey nas décadas de 1920 e 1930, que começou a história. Lashley removeu uma grande área do córtex cerebral de ratos e descobriu que estes animais podiam ainda aprender novamente tarefas específicas. Agora sabemos que a destruição até mesmo de uma parte muito pequena do cérebro pode ter efeitos devastadores no comportamento. Esta é uma das razões pelas quais os neurocirurgiões devem mapear cuidadosamente o cérebro antes de remover tecido cerebral durante operações para epilepsia e tumores cerebrais: Eles querem ter certeza que nenhuma área essencial do cérebro seja danificada.

Afinal não usamos apenas 10% do cérebro

A crença popular de que só utilizamos 10% da nossa capacidade cerebral não passa de um mito criado pelo fato de o cérebro humano ser o sistema vivo mais complexo do Universo.

Quem o diz é João Malva, presidente da Sociedade Portuguesa de Neurociências e investigador da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, questionado pela Lusa a propósito da Semana Internacional do Cérebro, que decorre a partir de domingo em todo o país.

"A atividade do cérebro é extremamente dinâmica, varia a cada milissegundo e é portanto impossível quantificar numa determinada circunstância qual a percentagem que está a ser utilizada" - afirmou.

"A capacidade do cérebro é imensa e funciona de forma integrada e global", pelo que afirmar que só usamos 10% é uma "quantificação perfeitamente ilícita" - acrescentou.

Por que o mito continua?

De alguma forma, em algum lugar, alguém começou este mito que continua se repetindo. Assim, as pessoas acabam acreditando nesta história, independente da evidência. Nós não conseguimos encontrar a origem deste mito e nem encontrar nenhuma evidência científica que dê suporte às estas afirmações.

De acordo com as pessoas que acreditam neste mito, se nos utilizássemos de todo o cérebro poderíamos ter acesso à feitos extraordinários de memória ou ainda habilidades mentais fantásticos. Mais uma vez, não temos conhecimento de dados que suporte isto.

É um mito antigo, “propagado por múltiplas fontes que defendem o poder da auto-ajuda e do desenvolvimento de habilidades latentes”. Os estudos mostram que as pessoas usam muito mais do que 10% da capacidade cerebral, dizem os autores. “Nenhuma área do cérebro fica completamente silenciosa ou inativa.”

Compartilhe!

Prova que os EUA desenvolvem veículos voadores (tipo OVNIS)

Imagens Secretas de OVNIS da NASA

Vídeo incrível da NASA captura o que parece ser uma gigantesca nave alienígena.

Twitter